Peregrinação - João Botelho (2017)

Peregrinação 
2017, 109', M/12

Fonte: Medeia Filmes


Um filme engenhoso que soube tirar o melhor proveito da esmola que lhe foi confiada.

Como havia João Botelho referido, citando Manuel de Oliveira, “Se não consegues filmar a carroça, filma a roda, mas filma-a bem.”, e foi um pouco disto que se pode presenciar no decorrer do filme.

Um filme mais sugestivo do que explícito, com várias momentos em que particularmente se nota o acima citado.

No entanto, existem obviamente falhas claras. O orçamento é motivo, mas não justifica tudo. Os fundos, por vezes quase pictóricos, não roçam a perfeição e certas montagens levantam dúvidas. Um filme onde, certamente, são mais as “faltas” do que as falhas. Mas estas existem.

Apesar de por vezes excessivo, acompanhando quase todo o filme de forma intercalada, ou realizador aproveita para nos presentear com paisagens belas das terras do oriente, que podendo ser por vezes excessivas, não deixam de ser bem conseguidas tecnicamente e esteticamente.

A mistura de vários tipos de abordagem resultou bem e é um dos pontos de especial interesse no filme. Tanto temos marinheiros que entoam cantigas de “Fausto” do seu aclamado álbum "Por este rio a cima" , na verdade uma forma curiosa de abordar o filme, como Fernão Mendes Pinto que em forma de teatro grego conta as suas peripécias à sua família (uma forma feliz de remendar o parco orçamento) e cenas de recriação histórica, quase documental ( a "roda" relativamente bem conseguida).


Pesa embora tudo, a elegante mistura destes vários elementos, subleva o valor criativo e artístico do filme, face às condições de produção. Porque o bom cinema, é falado em Português.


1 comments

  1. João Botelho adaptou no seu filme, sem a devida permissão, parte do romance de Deana Barroqueiro, "O Corsário dos Sete Mares", com a agravante de referir nos "media" essas cenas como se fossem da obra de Fernão Mendes Pinto. Botelho admitiu o plágio num e-mail da Ar de Filmes para a editora, porém, continua a insistir no logro, não dando créditos à autora da obra que lhe serviu de guião.
    Ao cotejar o filme de João Botelho com a "Peregrinação" de Fernão Mendes Pinto e com “O Corsário dos Sete Mares”, verificamos que:
    1. As cenas do filme que não constam do meu livro são as da morte de Pinto e as da mulher e filhos, tal como a cena das “mantas” voadoras”.
    2. As restantes cenas e personagens femininas do filme, exceptuando a rainha da Etiópia, não existem na “Peregrinação” de FMP, são do meu romance, inventadas por mim ou ficcionadas a partir de sugestões do original ou fruto da pesquisa que fiz em documentos portugueses e do Oriente.
    3. Não existe nenhuma violação, por António de Faria, na “Peregrinação”, como Botelho afirma que há, numa das suas entrevistas. A violação está no meu romance, embora praticada por Pinto – refere-se ao cap. 47 da sua obra, o episódio da «noiva roubada», que é levada com os irmãos meninos para ser vendida ou resgatada por dinheiro, como era costume. Como o seu destino ficava em aberto eu parti deste episódio para ficcionar uns supostos amores de Pinto que acaba por a violar, algum tempo depois, no barco. Botelho seguiu o “guião” do meu livro, embora com alterações.
    4. A personagem da amante chinesa, assim como o seu nome Meng e os seus amores, inventei-os a partir da menção feita no livro de Pinto (cap. 116) aos filhos do português Vasco Calvo - «dois meninos e duas moças”. A cena do filme, em que «Meng», com uma bacia de água perfumada com pétalas de flores, a lavar as cicatrizes das chicotadas que Pinto tem nas costas, é um dos episódios do meu romance que considero melhor conseguidos (a sua foto tem sido reproduzida na maioria dos jornais). A única diferença é que João Botelho coloca a cena em Pequim e não na aldeia junto à muralha da China, onde vivem os condenados a trabalhos forçados.
    5. Em Pequim, as cenas da moça que toca, canta e convive com Pinto, ensinando-o a ler mandarim. Nada disto existe na Peregrinação, inventei esta personagem e estas cens, incluindo poemas e canções chinesas, de que fiz a tradução, criando de raiz a personagem filha do «monteo» (o capitão chinês que vai levar Pinto e os companheiros para a Muralha). Na obra de Pinto há apenas uma referência à “mulher do monteo”.
    6. As cenas das prostituas também não existem na Peregrinação, inventei-as para criar episódios cómicos com Pinto e Cristóvão Borralho. A fala da prostituta sobre a influência do Yin e Yang no sexo, a menção ao Mercado dos Cavalos Magros são do meu romance.
    7. Na obra de FMP, nos episódios do Japão, não existe qualquer referência ao suposto casamento de Fernão ou de Zeimoto, nem a Wakasa, que eu encontrei em outras fontes japonesas, depois de grande pesquisa. Ficcionei a história desse casamento, com a ida da personagem ao barco, fazendo dela uma espécie de Madame Butterfly avant la lettre.
    8. No filme, Fernão narra a sua 1ª viagem, ainda adolescente, quando servia em casa de uma senhora e teve de fugir para salvar a vida. Apenas isto. Os amores adúlteros e o assassínio de Dona Joana Aires da Silva e de Manuel Freire, o amante, são do meu romance, cuja fonte foram arquivos sobre um escândalo da época. Botelho leva este episódio para o seu filme, embora fazendo de Pinto um segundo amante, a quem a senhora pede que leve um recado … ao amante Manuel Freire.
    9. O realizador absorveu ainda outras ideias da minha obra expondo-as como suas: numa entrevista, refere-se à magia do 9, que é um leitmotiv do meu romance.
    10. Há mais casos que só se detectam comparando os dois livros, como a sequência dos episódios ou juntar as duas viagens a Sumatra num só episódio.
    Entreguei o caso aos advogados.
    Deana Barroqueiro

    ReplyDelete

My Instagram